Notas sobre o funcionamento do site

Voltar à disposição inicial da página.

Restaurar

barra login

Princípio e Fim da Europa

A “Europa” foi uma criação francesa ou francófona (com muito apoio do americano ACUE, de Wild Bill Donovan). Vejam-se os nomes e curriculos dos “pais fundadores”: Jean Monnet , Robert Schuman e o belga Paul-Henri Spaak. Estes, com o apoio do ACUE, souberam forjar alianças com o italiano Alcide De Gasperi, o holandês Johan Willem Beyen, o alemão  Konrad Adenauer e o luxemburguês Joseph Bech.

Este “projecto Europa” é, em seguida, adoptado por duas das três grandes “internacionais” dos anos 50: a Internacional Socialista e a Internacional Democrata-Cristã. A Internacional Comunista ficou, claro, de fora e contra o projecto, como impunham as regras da “Guerra Fria”, já que essa “Europa” se fazia como parte da estratégia “to counter the Communist threat in Europe”.

Ao cair o muro de Berlim, todo o quadro da “Europa” caíu. O desaparecimento da ameaça soviética e a emergência da Alemanha (pós reunificação) arruinou e fez ruir este projecto francês de “Europa”, cujo último grande momento foi a década protagonizada por Jacques Delors.

A Alemanha ressurgida não cabia no fato… E o fato começou a rebentar pelas costuras e, sob os efeitos da crise do sistema financeiro iniciada no Verão de 2008, o tecido esgassa e, como uma ganga velha, vai-se desfazendo e caindo aos bocados. A tragédia grega é apenas disso um aspecto. E se é importante, não o é por si, mas apenas pelo que revela…

http://lesouffledivin.files.wordpress.com/2010/06/drapeau-ue.jpg

Claro que a falta de maneiras civilizadas de Angela Merkel (em contraste com os perfeitos cavalheiros que eram Kohl, Gensher, Brandt ou Schmidt) contribui para tornar mais visível a irrupção do nacionalismo alemão no quadro de uma “União Europeia”. Merkel é o elefante bárbaro no seio de uma delicada construção em finíssimas  porcelanas. Mas a Europa não muda por obra e (des)graça de Merkel. Ela é que é um produto das mudanças na Europa, pós-Delors.

E assim estamos neste final de 2011 como em vários outros momentos do século XX: o problema central da Europa é a Europa Central. Este velho poblema emerge, de novo, com o desmoronar da direcção francesa no “projecto Europa”. E vai, nos próximos anos, defrontar as mesmas dificuldades insuperáveis que sempre se levantaram no seu caminho: uma vasta coligação contra a hegemonia alemã. Não é por acaso que a Europa Central nunca conseguiu tornar-se o centro da Europa…

Com a direcção francesa desfeita e a hegemonia alemã a defrontar  insuperáveis problemas para se afirmar, a “Europa” tenta esconder, em cimeiras de pompa e circunstância, o seu estado moribundo mas não consegue ocultar a impotência própria a esse seu estado.

E, desta vez, não há sequer o discreto mas decisivo apoio americano. Obama, neste G20, mostrou bem que nem sabe nada do ACUE e nem do seu dirigente máximo, um tal  Wild Bill Donovan que combateu os alemães em França em 1917/18 e contra eles operou na Europa, durante a II Guerra, e cujas ideias e argumentos estão plasmados no National Security Act of 1947  e no Central Intelligence Agency Act de 1949… Ano, aliás, em que se tornou presidente do recém-criado American Committee on United Europe.

Note-se, no capítulo das pequenas mas reveladoras histórias, que Wild Bill Donovan não tinha na sua colecção de condecorações europeias nenhuma condecoração alemã: Légion d’honneur(France, World War I) ; Commandeur de la Légion d’honneur(France, World War II) ; Croix de guerrewith Palm and Silver Star (France, World War I) ; Honorary Knight Commander of the Most Excellent Order of the British Empire; Papal Lateran Cross(Vatican) ; Knight Grand Cross of the Order of St. Sylvester(Vatican) ; Order of the Crown(Italy) ; Croce di Guerra(Italy) ; Commander’s Cross with Star of the Order of Polonia Restituta(Poland) ; Grand Officer of the Order of Léopold of Belgium with Palm; Czechoslovakian War Cross (1939); Grand Officer of the Order of Orange Nassau(Netherlands) ; Grand Cross of the Royal Norwegian Order of St. Olav(Norway)…

O quadro desfez-se e com ele desaparece uma obra de artistas… Não terá realizado os “sonhos” mas cumpriu os objectivos: paz e desenvolvimento na Europa ocidental para enfrentar e contar a ameaça do leste comunista. Foi para isso que foi criada e atingiu totalmente o objectivo. Mas, concretizado o fim, é também… o seu fim. E volta tudo atrás…

José Mateus

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Posts relacionados:

5 Comentários

  1. ”  MODELO ECONÓMICO DA UNIÃO EUROPEIA ESGOTADO  ”
    Como sugere o titulo eu tenho para mim de que o actual  modelo económico da União Europeia é um modelo completamente esgotado.
    Se não vejamos quando da  criação da União Europeia  os pressupostos
       eram  de que houvesse igualdade entre os Estados que Constituem a referida U E, e não serem sempre os Estados mais poderosos a prevalecer e a ditarem as leis.
    Certamente que o actual estado da situação que pule rifa    por essa toda a Europa fora não acontece por acaso 
    Abel Madureira-Porto

  2. Bormanico Pessoa says:

    Jorge
    Obrigado por partilhar a sua opinião honrando o meu fraco (mas interessado) comentário neste assunto.
    Eu vislumbro uma série de sinais positivos no horizonte a curto e a médio prazo, a Dinamarca guinou à esquerda, o SPD prepara-se para governar na Alemanha, os socialistas irão governar na França, Miliband irá dar que falar, ou seja, algo está a mudar na Europa. Espero que este centro-esquerda não se comporte como Obama, que rompa com os poderosos lobbies que neste momento sugam e secam tudo à sua volta como brilhantemente aqui é demonstrado:
    http://inteligenciaeconomica.com.pt/?p=9950
    http://inteligenciaeconomica.com.pt/?p=8804
    Que quero eu dizer com isto???
    O  problema é que não são os políticos que governa, são agentes infiltrados de interesses e caba aos povos perceberem e mudarem.

    Temos o gosto por este sítio em comum, quem sabe teremos mais coisas.

  3. Bormanico Pessoa says:

    A minha intuição diz-me que a UE veio para ficar.
    Os programas trans-europeus (exº Erasmus) e a multiplicidade de projectos tornam irrreversível a Europa. Aliás os europeus isolados não tem hipotese de sobreviver contra este novo mundo multipolar.
    No entanto muita coisa vai ter de mudar, obviamente, ESTA Europa não está a funcionar, é contra os cidadãos.
    O problema não é apenas uma questão de “desígnio anti-comunista” cumprido, foi a globalização, a desindustrialização, a Escola Económica de Chicago, os neo-conservadores, a terceira via, etc, etc, que o vazio comunista deixou sem orientação estratégica. Como cada um está “por si” começamos a rivalizar em vez de coopetirmos.
    A mudança não é apenas interna da Europa, foi o Mundo todo que mudou.
    Adoro este site.

    • Jorge Bravo says:

      Meu caro, tambem adoro este site, mas não posso compartilhar do seu optimismo, pela simples razão de que seria necessário ter lideres fortes nesta europa e o nosso Merkcosy é demasiado barata tonta para isso.

  4. Cada dia que passa vesse que o mundo na verdade esta a mudar em tudo, acho que e o começo de uma nova era, mas em tudo,  a crise Mundial, o fim da Uniao Europeia, o envelhecimento da populaçao Portuguesa, desastres naturais, etc,etc. Bom era bom que isto tudo fosse uma mera imaginaçao humana, um sonho que nao passa de um sonho, mas e o acordar de um sonho real. Em tempos atras acordava-se levantava-se, tomava o seu pequeno almoço, pegava na pasta, na marmita, e seguia-se em luta pela vida, ao fim do dia regressava-se a casa com o dia ganho e cabeça leve, mesmo que fosse um pouco dificil para a classe trabalhadora, mas sobrava sempre um bocado de tempo para ir para o campo plantar umas cebolas, umas batatas, umas alfaces, etc etc, e ainda sobrava tempo para jogar a malha, jogar a bola e etc. hoje o mundo e diferente, mas diferente por que, porque o povo aprendeu a ver a vida com outros olhos, e foi vista assim, apos o 25 de abril ouve sim um caminho sem rumo continuou-se a ter problemas em encontrar soluçoes pra resolver problemas do Pais sempre se mascarou problemas, passando uns anos, apare-se a Uniao Europeia e toda a gente ficou contente por que, vinha milhoes para Portugal e ja nao era preciso se preocupar, pois ja nao era preciso trabalhar, ordem de fora abater barcos de pesca, destruir vinhas, lavouras, alguns terrenos recebia subsidios  para produzirem, minavam os terrenos e culpavam o clima, as chuvas, a neve, os ventos, isto tudo como se nao existe-se noutros.  tempos. Outras culpas os tempos modernos, gastarem a toa, luxo, ser mais de que o vizinho, o meu carro, e um fia-te, o meu vizinho comprou carro novo e e um Mercedes, amanha vou comprar um jaguar, meu vizinho foi de ferias para o algarve, eu vou tirar umas feria para as Caraibas, rio de janeiro, etc, cartoes de credito, facilidades que os bancos davam, cartas que se recebia em casa da agencia bancaria faça ferias agora e paga depois, compre  sua casa pague devagar, com juros acessiveis resultados agora e o que se ve. por isso com respeito a Uniao Europeia julgo e me desculpem a palavra, mas o titu-lo do site esta bem feito, mas seria melhor se estive-se escrito, O PRINCIPIO DO FIM DA EUROPA, se a Grecia sair da Europa, outros a beira da falecia tambem saem, e ai a Deus Europa, quanto ou Mundo de hoje e urgente mudar de rumo, criar outras formas de trabalho, ainda falta explorar muitas coisas, coisas novas, isto so  acontece quando deixarem a ganancia, o poder, o orgulho de ser mais de que o outro, quanto aos bancos tomem cuidado porque eles querem o que e seu, e quem paga e o mais pequeno.

Deixe um Comentário

 


Compression Plugin made by Web Hosting